• Twitter

    Siga e fique por dentro de tudo que acontece no RSFD!

  • Arquivos

  • Tags

  • Posts Recentes

  • Disclaimer

    O Reality Shows for Dummies é um blog de humor. Todos os comentários no blog são relacionados e restritos a personagens interpretados por cada pessoa durante sua participação em diferentes reality shows, não contendo nenhuma relação com a realidade. Nossos comentários não tem nada a ver com a vida pessoal de cada uma das pessoas aqui descritas, ficando, novamente, restritos ao programa onde cada um esteve e ao seu personagem apresentado lá. E também não nos responsabilizamos por comentários e/ou nomes utilizados por nossos comentaristas, ou seja, não faz a louca da buceta, gata.

ARQUIVO DUMMIE – THE AMAZING RACE 5

Em aquecimento pra cobertura do TAR14 (que começa no domingo), o blog RSFD traz pra vocês o Arquivo Dummie, fazendo a retrospectiva de uma das melhores temporadas da série.

Em meados de 2004, após quase um ano sem episódios inéditos, a CBS estreou o The Amazing Race 5. Com regras renovadas e a maior distância percorrida pelo show até hoje, esta temporada é considerada pelos fãs como a melhor já produzida do reality. Neste Arquivo Dummie, vamos relembrar os momentos marcantes da série e analisar qual o motivo de seu favoritismo.

Após o sofrível TAR4, que teve o pior desempenho na audiência até hoje, o formato do show ficou engavetado pela emissora. Não fosse o Emmy vencido na recém-criada categoria Outstanding Reality-Competition Program, é bem capaz que não teríamos mais dez temporadas do programa. Então, no break de um ano entre as duas temporadas, a produção fez seu dever de casa: ao contrário do TAR4 que visitou só dois países inéditos, o TAR5 praticamente só pisou em solo novo. Além disso, a produção deu um show nas provas. Pelo menos uma em cada episódio era inédita e até os marcadores de rota eram interessantes: no Uruguai, por exemplo, os times tinham que achá-los em bolas infláveis no meio de uma boate de espuma. No Egito, tivemos um dos mais célebres pit stops: a Esfinge.

O casting do programa também não ficou pra trás. Todos os times eram memoráveis e tinham características interessantes. Era praticamente como assistir um desenho animado – todos do top7 eram extremamente divertidos: Marshall & Lance, os irmãos pizzaiolos que odiavam Mirna; Charla & Mirna, primas armênias dramáticas, protagonistas das maiores rivalidades e das cenas mais loucas e surreais do programa; Kami & Karli, as gêmeas avoadas que duraram muito, apesar de sua estupidez; Linda & Karen, as “Bowling Moms”, que demonstraram uma força inacreditável para duas mães de meia-idade, e que mantiveram o recorde para melhor desempenho por um time feminino durante 5 temporadas; Brandon & Nicole, o casal cristão “lagoa azul”; os hipercompetitivos Colin & Christie, super intensos e um dos melhores times a competir em qualquer TAR; e o boa-praça (será?) Chip e sua esposa Kim.


Eu e Brandon brincando de Survivor: Africa.

A série teve inúmeros momentos marcantes para serem contados. Talvez os mais lembrados sejam os meltdowns de Colin: o texano, conhecido por seu pavio curto, chegou a ser levado para uma delegacia da Tanzânia num dos momentos mais antológicos da série. Ele não queria pagar o seu taxista, alegando que o carro era perigoso e lento. Em outra ocasião, após receberem o primeiro Yield a ser utilizado na corrida, o casal teve uma crise imensa em uma prova envolvendo um touro filipino. A frase de desespero de Colin (“my OX is BROKEN! This is BULLSHIT!“) acabou se tornando título de um livro publicado sobre a série.


Colin: MIDEXAAAAAAAAAA!!!1!
Touro: risos.

A competitividade dos times também foi algo que marcou a temporada. Até mesmo os times “bonzinhos” como Brandon & Nicole e Chip & Kim formaram alianças, as traíram, e brigaram uns com os outros a cada episódio. As Bowling Moms, quarentonas gordinhas mães de família, chegaram ao top 4 por sua extrema capacidade com provas e trabalho em equipe. A força do time surpreendeu os espectadores da série, já que um time feminino nunca tinha chegado no episódio final. As duas acabaram eliminadas por uma prova física, onde mesmo com ampla vantagem de tempo, acabaram derrotadas por um time mais jovem e foram eliminadas. Nenhum time feminino superaria a marca das mães até o TAR10.

Até mesmo Charla & Mirna, consideradas de início como um time puramente para chamar a atenção do público, demonstraram garra e uma habilidade impressionante com aeroportos. As duas dividem opiniões até hoje; muitos as amam pelo seu nonsense e drama aliados à competência e competitividade. Outros discordam da forma como elas se relacionavam com outros times e da sua intensa rivalidade com Colin. Não há como negar que este foi o time mais memorável do programa, no entanto, o que justifica sua presença no TAR All-Stars, alguns anos depois.

No fim, o TAR5 permanece como uma temporada dificil de ser superada em times, rota, momentos marcantes e emocionantes. É uma temporada que demonstra tudo o que o TAR deveria ser: locais interessantes e pessoas interessantes e competitivas ao mesmo tempo. Quem não a assistiu, não deixe de fazê-lo. (Esse usuário no youtube tem todos os episódios completos! Fica a dica. ;)

5 Respostas

  1. Podia postar links pra quem nunca viu assistir! \o/

  2. ADOREI!!! parabens!!

  3. eu odiava charla e mirna no TAR5 mas gostei/torci por elas no all stars…
    mto bom seu post
    adorei!

  4. O video de charla e mirna é delicioso!

  5. Podia ter mais Arquivos Dummies

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: